sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Assim é a nossa luta

Compartilho texto enviado pelo Adenilson José Gomes, usuário da UBS/AMA Vila Carmosina, Itaquera/SP, retratando situação idêntica à da UBS/AMA Santa Cecília em relação ao desabastecimento de medicamentos e insumos integrantes do Programa de Automonitoramento Glicêmico (kit diabetes).

A publicação desse depoimento visa a reivindicação de providências por parte do Secretário Municipal de Saúde, Wilson Pollara, para a regularização do fornecimento de medicamentos e dos insumos do kit diabetes na cidade de São Paulo. 

Esta é uma forma de construção colaborativa do SUS, através de relatos de experiências e compartilhamento de sugestões dos cidadãos, o que só é possível num sistema público e democrático de saúde. A diretriz constitucional da participação da comunidade (artigo 198, III) impõe o diálogo e o debate de propostas entre usuários, profissionais e gestores do SUS, para a tomada de decisões.

É isso que estamos fazendo aqui: chamando a gestão para o diálogo, para garantir nosso direito à saúde, respeitando os princípios e diretrizes do SUS, a maior conquista da democracia brasileira!




Me chamo Adenilson José Gomes, e tenho 47 anos de idade. Eu tenho o diabetes tipo 1 há 14 anos e sou insulino-dependente, e insumo-dependente. Diariamente tomo insulina NPH e Regular antes das refeições, e também faço prática de esporte moderado. Assim é a minha luta, fazendo cálculos glicêmicos para ter uma vida relativamente normal e equilibrada. Graças a Deus não tenho nenhuma complicação do diabetes.

Recebo atendimento médico no Hospital Santa Marcelina, no Bairro de Itaquera, e retiro meus medicamentos e insumos na UBS/AMA Vila Carmosina. Não havia médico endocrinologista no Santa Marcelina desde abril de 2016. Nesse período, fui encaminhado ao serviço de endocrinologia do Hospital das Clínicas. Durante essa semana, precisando renovar a receita e o laudo médico para retirar os remédios no posto, compareci ao Hospital Santa Marcelina e fui informado sobre a reposição do médico endocrinologista, que já está atendendo no local. Pego receitas dos medicamentos de uso contínuo e insumos no hospital, e levo ao AMA onde os recebo. 

Estou cadastrado no programa kit diabetes da Prefeitura há uns 12 Anos. Há 3 meses vem faltando certos medicamentos de uso contínuo e também insumos, seringas, lixo para pérfuro-cortantes, levotiroxina sódica, enalapril, sinvastatina e AAS. 

Comuniquei a Ouvidoria sobre a falta desses medicamentos e, depois de alguns dias, me retornaram dizendo que já haviam entrado em contato com a unidade, que logo haveria uma solução, o que não ocorreu até agora. Diariamente ligo para o AMA e os funcionários não me dão nenhuma resposta convincente, alegando que essa falta de medicamentos é resultante do aumento de usuários do SUS: pacientes que antes tinham planos de saúde, com a crise econômica do país, migraram para o SUS, e por isso a falta de medicamentos nessas unidades. 

Com a falta dos medicamentos e insumos, sofro alguns transtornos físicos e psicológicos , prejudicando o meu controle glicêmico. Não só meu, mas também daquelas pessoas que fazem o uso desses medicamentos e insumos, pois evitamos algumas atividades físicas e profissionais temendo consequências e sequelas do diabetes mal controlado. Ouvi usuários falando que estavam reutilizando seringas descartáveis para economizar o pouco que tinham, e por não saberem quando haveria reabastecimento dos insumos de diabetes nos postos de saúde. Eu estou muito preocupado com essa falta de medicamentos nos postos de saúde, acredito que mudanças políticas no Munícipio estão atrasando a solução dos problemas.

Acho que está havendo um certo descaso em relação ao abastecimento desses medicamentos e insumos nas UBS's, pois o número de pessoas com diabetes no Brasil e no mundo é muito grande, devemos ser tratados com atenção e respeito pelos órgãos de Saúde, principalmente o brasileiro e pela classe política.

Adenilson José Gomes

Nenhum comentário: