segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Estudo relaciona variação glicêmica pós-prandial ao desjejum como fator preditor de hipoglicemia noturna

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Jikei, no Japão, tentam verificar se a variação glicêmica pós-prandial do desjejum constitui um fator preditor de hipoglicemia noturna em pacientes com ‪diabetes‬ tipo 1 no esquema insulínico basal-bolus com análogos de insulina de ação lenta e ultrarrápida. Embora a pesquisa tenha analisado um pequeno número de pessoas (64), relata achados interessantes, e que podem ser aprofundados na busca de se evitar as hipoglicemias noturnas.

O artigo já é interessante só pelo fato de partir do pressuposto de que hemoglobina glicada, como fator isolado, não garante a qualidade de vida do paciente com diabetes. Também aponta que o melhor controle glicêmico predispõe a pessoa a maiores chances de hipoglicemia noturna, causa de arritmias cardíacas noturnas e até morte por parada cardíaca. Ainda, que a hemoglobina glicada não constata esses riscos, porque apenas indica a média glicêmica a longo prazo (3 meses).

O estudo conclui que pessoas que apresentam variação glicêmica pós-prandial acima de 78 mg/dl duas horas após o desjejum tem maiores chances de sofrer hipoglicemia noturna. E o artigo é aberto para leitura ao público em geral gratuitamente, este é o link para acesso direto: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371%2Fjournal.pone.0144041


Perfis glicêmicos mostrando os níveis de glicose da madrugada até depois do café da manhã

Nenhum comentário: